EXCLUSIVO: registro de conversas derruba versão de Soraya de suposta ameaça recebida de seu suplente

Em 27 de setembro de 2018, a 10 dias do 1º turno das eleições de 2018, a então candidata do PSL ao Senado, Soraya Thronicke, registrou boletim de ocorrência, na primeira delegacia de Polícia Civil de Campo Grade, sob o registro 264/2018, no qual comunica ter sua integridade física ameaçada de agressão por diversas vezes, pelo então presidente do PSL-MS, Rodolfo Nogueira.  Embora a denúncia ser gravíssima, ameaça à sua integridade física, Soraya só compareceu à delegacia para comunicar o fato após 26 dias das supostas ameaças.

Segundo Soraya, a motivação decorreria da reclamação dela à direção nacional de que Rodolfo não teria atendido suas solicitações para providências pela propagação de material de campanha de candidatos ao senado da chapa do governador Reinaldo Azambuja, com a foto do candidato Jair Bolsonaro. Segundo ela, Rodolfo, no dia primeiro de setembro, teria telefonado para reclamar e feito as ameaças.

Ocorre que Soraya, ao longo do mês de setembro de 2018, entre o dia 1º daquele mês, até o dia 27, registro do BO, após ter sido vítima da suposta ameaça de agressão física, manteve relacionamento ‘normal’ com Rodolfo, na condução da campanha. Registros desses diálogos, entregues à Justiça por Rodolfo Nogueira, revelam inúmeras tratativas entre ambos que contradizem as acusações feitas por Soraya na delegacia.

As conversas estão numa Ata Notarial registrada por Rodolfo e que constam em um processo na Justiça Eleitoral, revelam que mesmo sob ‘ameaça’, Soraya pede ajuda a Rodolfo, no mesmo dia em que teria sido ameaçada por seu 2º suplente.

“Me ajuda, vc viu, preciso ter voz, sabedoria, força espiritual etc. (…) Jamais vou prejudicar alguém. Tô fazendo das tripas coração” (sic), escreveu Soraya, de acordo com os prints anexados ao processo, para Rodolfo, por volta das 14h do dia 1º de setembro. A ameaça teria sido feita na manhã deste mesmo dia.

A senadora eleita, então candidata, Soraya manteve conversas, por sua iniciativa, em tom amigável com Rodolfo, inclusive solicitando a intervenção dele junto aos candidatos para explicar que estava trabalhando por todos os correligionários que disputavam as eleições.

A suposta vítima ameaça, relatou a ‘comunicante/vítima’, se deu depois que a então candidata cobrou providências ao diretório regional sobre material de campanha de adversários que estariam prejudicando sua candidatura ao Senado e, ao não ser atendida, procurou diretamente a Executiva Nacional do PSL, o que teria gerado descontentamento no ‘autor’.

Ela também acusa o correligionário de não ter feito campanha para a candidatura do PSL ao Senado, apesar de ter enviado uma mensagem no dia 11 de setembro do ano passado dizendo que ‘estavam juntos’ no processo eleitoral.

“Tá pesado aqui, temos passado os nosso dias atrás de doações, pois já tiramos bastante do bolso. A campanha é nossa, Rodolfo, minha, sua e do Danny (2º suplente eleito, o advogado Danny Fabrício). Não está fácil, pois além de tudo temos de lidar com as forças contrárias, de gente que além de ajudar atrapalha”, diz mensagem enviada à 01h20 da manhã por Soraya.

Apesar das acusações de que o presidente do PSL não estaria fazendo campanha, no dia 6 de setembro do ano passado, véspera dos desfiles do Feriado da Independência, Soraya e Rodolfo conversam sobre uma ação eleitoral em prol do então candidato Jair Bolsonaro.

Às 21h25 do dia 6 de setembro, Rodolfo envia a mensagem: “Soraya porque vc não lidera um movimento em apoio ao JB amanhã no desfile”. Em seguida, a senadora eleita responde que já havia combinado tal coisa com ‘movimento de rua’. “Vamos pra lá (…) Já íamos de qualquer jeito. Apenas estamos mudando a forma, mas estaremos lá. Pode deixar”, responde.

Impeachment

Ainda durante setembro, no dia 13, a então candidata procura o correligionário às 8h19, avisando que sobre um assunto ‘urgente’, um processo que, segundo ela, ‘iria andar’.

“Impeachment do Reinaldo que estava parado. Só pra te avisar”, envia Soraya às 10h01 do mesmo dia, sobre um pedido de impeachment contra o governador Reinaldo Azambuja (PSDB) protocolado na Assembleia Legislativa por ela e Danny Fabrício, naquele mesmo dia.

Vídeo

Além de diversos compartilhamentos de santinhos e material de propaganda eleitoral contendo a imagem com número de urna de Soraya, Rodolfo também apresentou prints de um vídeo (live) gravado no dia 22 de setembro e divulgado em sua página em uma rede social ao lado da então candidata, que, na ocasião, já usava um colete a prova de balas para se proteger, como alegou no BO, das supostas ameaças sofridas do próprio presidente regional do PSL, com quem aparece lado a lado nas imagens.

Fonte; Midiamax

Pax Primavera