Governo não bate martelo e discutirá preço do combustível nesta terça-feira

foto: Bárbara Cabral/Esp. CB/D.A Press)

O Planalto teme que a escalada dos preços dos combustíveis contamine ainda mais a imagem do governo junto à população

O governo não bateu o martelo sobre quais medidas adotar para reduzir o preço dos combustíveis. Em reunião nesta segunda-feira (21/5) com ministros no Palácio do Planalto, o presidente Michel Temer demonstrou preocupação com os reajustes dos custos da gasolina e do diesel. Entre as propostas, foi debatida a diminuição de imposto sobre os insumos. Mas, qualquer decisão ainda será minuciosamente avaliada. Do encontro, auxiliares saíram com o compromisso de se reunir novamente nesta terça-feira (22/5).
A encontro de amanhã contará com a presença dos ministro da Fazenda, Eduardo Guardia, de Minas e Energia, Moreira Franco, e do presidente da Petrobras, Pedro Parente. Os auxiliares e o comandante da estatal devem se reunir às 9h, no edifício sede da Fazenda. O objetivo é colocar a pauta em um debate técnico, com a presença de secretários e assessores para discutir uma solução para o problema.
O Planalto teme que a escalada dos preços dos combustíveis contamine ainda mais a imagem do governo junto à população. O discurso de melhora da economia ainda não convence, e o arrocho no orçamento familiar e nos ganhos dos caminhoneiros é um obstáculo para as aspirações de aumento da popularidade.
Uma decisão dificilmente será tomada rapidamente. O ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha, disse que o assunto precisa ser bem debatido, mas destacou que é uma prioridade do governo. “Ao convocar (a reunião), o presidente mostrou-se preocupado com o aumento constante e disse que gostaria de ver isso resolvido de forma mais ráida possível para o cidadão e caminhoneiros”, destacou.
O ministro-chefe da Secretaria de Governo, Carlos Marun, evitou dar detalhes sobre a reunião, como discussões sobre redução da alíquota do PIS/Cofins. Mas destacou que o governo tem preocupação em garantir que as medidas tenham resultado prático. “Em muitos momentos foram adotadas medidas que não se chegaram à bomba, ao consumidor. Então, não vão ser tomadas medidas assim, digamos, no ímpeto de buscar solução que não aconteça. A situação vai ser analisada com responsabilidade”, declarou.
A reunião contou com a presença de Temer, Marun, Padilha, Guardia, Moreira, além do ministro do Planejamento, Esteves Colnago, e do secretário da Receita Federal, Jorge Rachid.
Fonte CB
http://assomasul.org.br/