Guedes pede demissão, mas Bolsonaro tenta convencê-lo a ficar, diz site

Interlocutores afirmam que nomes já são sondados para ocupar cargo de ministro da Economia

Após o pedido de demissão de secretários do Ministério da Economia, o próprio ministro da massa, Paulo Guedes, teria pedido demissão da carga, mas o presidente Jair Bolsonaro tenta convencê-lo a ficar, segundo informações do jornal Correio Braziliense.

Conforme o site, o pedido de demissão foi feito nesta quinta-feira (21) durante uma discussão entre o ministro e o presidente.

Guedes critério dito que não aceitaria furar o teto de gastos para bancar o Auxílio Brasil, substituto do Bolsa Família, que possui o valor de R $ 400.  

Esta também foi uma motivação do pedido de demissão dos secretários do Ministério.

Últimas notícias

O pedido de demissão de Guedes foi confirmado por quatro interlocutores ao Correio Braziliense.

Conforme o G1, apesar de Bolsonaro afirmar que o ministro da Economia, Paulo Guedes, segue no cargo, dois interlocutores do presidente estiveram recentemente em São Paulo sondando um nome para substituir o chefe da equipe econômica.  

Na avaliação dos próximos resultados ao presidente, é preciso começar a avaliar nomes para substituir Guedes porque ele pode pedir demissão a qualquer momento.

Além disso, uma ala do governo já tenta convencer Bolsonaro a trocá-lo, dentro do argumento de que o ministro da Economia não estava entregando o que prometeu.  

O secretário especial do Tesouro e Orçamento, Bruno Funchal, pediu exoneração com uma secretária especial adjunta do Tesouro e Orçamento, Gildenora Dantas.  

O secretário do Tesouro Nacional, Jeferson Bittencourt, e o secretário-adjunto do Tesouro Nacional, Rafael Araújo, subordinados ao Funchal, também realizam as cargas.

O Ministério da Economia divulgou uma nota na qual afirmou que as exonerações deram a pedido por “razões de ordem pessoal”.  

Na avaliação desses secretários, entre eles o principal da equipe de Paulo Guedes, o secretário Especial de Tesouro e Orçamento, Bruno Funchal, o governo sinaliza um descompromisso com responsabilidade fiscal, tirando totalmente a credibilidade da política econômica.

Esses secretários não são contra o aumento do valor do Auxílio Brasil, mas defendem que a medida deveria ser adotada com cortes de gastos, e não com aumento do endividamento público.

Fonte:correiodoestado

ALEMS:UNIÃO DE ESFORÇOS