Para Junior Mochi, Justiça Federal cometeu excesso com a prisão de André

Presidente da Assembleia Legislativa questiona cumprimento da decisão - Foto: Izabela Jornada / Correio do Estado

Lideranças parlamentares do PMDB aguardam decisão de Puccinelli

“É estranho que uma decisão tomada no final de outubro tenha sido executada 15 dias depois, na véspera de um feriado. Acredito que foi uma atitude excessiva por parte do Poder Judiciário”, declarou o presidente da Assembleia Legislativa, deputado Junior Mochi (PMDB), sobre a prisão do ex-governador, André Puccinelli, realizada na última terça-feira (14).

Apesar de criticar as ações efetivadas nos últimos dias, Mochi reforçou que não acredita em sabotagem política ao ex-governador, que foi escolhido na semana passada, como presidente regional do PMDB em Mato Grosso do Sul. “Vamos confiar na Justiça, visto que a decisão foi reavaliada em primeira instância e depois de 24 horas, o habeas corpus foi acolhido”, acrescentou o líder do partido.

Reforçando a defesa, o parlamentar lembrou que André Puccinelli já tinha sido preso anteriormente e utilizado até tornozeleira eletrônica, então não era necessária nova prisão.

REUNIÃO

As lideranças do PMDB em Mato Grosso do Sul marcaram reunião para o início da tarde de hoje, sem a presença do ex-governador. Um dos participantes foi Eduardo Rocha, que defende o adiamento da convenção estadual.

“Ontem mesmo fizemos uma visita de cortesia para o André, mas, não conversamos sobre política. No entanto, acredito que poderíamos adiar a convenção do partido para daqui 15 dias ou um mês”, opinou o parlamentar.

Logo após a sessão, os senadores Waldemir Moka e Simone Tebet, o deputado federal Carlos Marun e os representantes estaduais: Junior Mochi, Eduardo Rocha, Antonieta Amorim, Paulo Siufi e Márcio Fernandes reuniram-se no diretório regional do PMDB, mas aguardavam confirmação da presença de Puccinelli.

Menos de meia hora após o início do encontro, um grupo liderado pelo deputado Carlos Marum saiu do diretório e partiu com destino à casa do ex-governador. Questionado sobre o resultado da reunião, o parlamentar reforçou: “Não tomamos decisão nenhuma e não falei com André depois da soltura. Então estamos indo conversar com ele e voltamos aqui pra continuar a conversa”, finalizou.

Fonte:Correio do Estado

http://assomasul.org.br/