No mês de combate a Violência contra a mulher, moradora denuncia que homem preso por estupro estaria sendo orientado a simular doença para conseguir, pela terceira vez consecutiva, a prisão domiciliar

Essa é a denúncia feita por uma moradora da região do bairro Vacilio Dias, de acordo com ela, o preso estaria recebendo orientações de um enfermeiro, também preso por estupro, para simular doença e assim conseguir prisão domiciliar.

O homem seria morador do bairro Vacilio Dias, possui 52 anos de idade, e foi condenado a crimes de estupro, ameaça, posse e porte de ama de fogo, sua pena é superior a 23 anos de prisão. Sendo que ele já teria recebido o benefício da prisão domiciliar outras duas vezes e desrespeitados as imposições que a justiça lhe impôs e agora estaria tentando a terceira vez tal beneficio.

Nas palavra dela: “Ele está brincando com a cara da justiça”, ele diz aos quatro cantos, aqui no Vacilio Dias, que ele não fica preso, que ele sabe como enganar a justiça. De acordo com a moradora, que não quis se identificar, o homem é perigoso possui arma de fogo mas guarda na casa de um amigo para não ser preso pela polícia. Essa é a mesma arma que ele usa para intimidar as pessoas que foram vítimas dele, afirma ela indignada.

É só olhar os laudos médicos de quando ele esta em liberdade para ver quantas crises ele tem e comparar com os atendimentos de quando ele vai preso. Ele só tem problemas de saúde quando vai preso, afirmou revoltada. Quando esta em liberdade fica ameaçando, dizendo que quando sair mata todo mundo e que até a policia chegar já fez o que tinha que fazer.

Esta redação apurou que da primeira vez que foi preso o homem teria conseguido liberdade provisória, tendo como uma das medidas cautelares, a de assinar no fórum desta cidade. O que nos deixa estarrecido, é a informação de que ele iria de cadeiras de roda assinar e quando chegava em casa se levantava da cadeira de rodas e iria caçar, fato que teria feito com que policiais civis fizessem um relatório sobre os descumprimentos dele, tendo os relatórios o levado novamente a prisão.


Da ultima vez em que foi solto, ele teria sido liberado com tornozeleira eletrônica e mesmo assim voltou a descumprir os limites imposto pela justiça. Tendo estes descumprimentos levado novamente ele a ser preso no dia 17 do mês corrente, dia em que teria passado mal e foi hospitalizado, sendo que as alegações medicas nunca se confirmam.
O caso por si só é emblemático, pois ocorre no mês conhecido como Outubro rosa, que é conhecido pelas campanhas de conscientização e combate sobre a violência contra a mulher.

http://assomasul.org.br/